sábado, 4 de abril de 2015

O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS - Subsídio para lições CPAD (por Fernando José)





SOBRE OS FATOS QUE ENVOLVERAM O LIVRO

Conhecimento, certeza e informação foram itens que levaram Lucas a escrever o seu relato. Já havia outros livros (leia-se ‘evangelho’), outros relatos já estavam na praça. Logo, o doutor deveria procurar autenticidade, tendo bom resultado, pois logrou êxito em seu intento. A forma inteligente do relato e o bom desenvolvimento do texto, usando a forma culta e clássica helenística faz uma leitura bem polida dos acontecimentos. Diante das inúmeras tentativas, Lucas sobressaiu às demais tentativas sendo aceito e reconhecido no cânon neotestamentário, obtendo status de apostolicidade e autenticidade.

A composição do Evangelho de Lucas provém de um método que consta de:

- verificação,
- pesquisa,
- enxame,
- análise,
- ordem,
- aprofundamento,
- entrevistas que envolveram testemunhas - pessoas que seguiram de perto, que tinham familiaridade com os eventos,
- busca de transmissão dos primeiros pregadores da Palavra.

Em suma: obtendo informações, inclusive dos apóstolos, Lucas acabou por fazer, segundo o Reverendo Augustus Nicodemus, “um trabalho de detetive”.

Lucas relata os acontecimentos para o nobre Teófilo a fim de promover instrução, conhecimento perfeito e integração para viver o cristianismo de forma inteligente – provavelmente Teófilo era um novo convertido.



‘SALVAÇÃO’ NA OBRA DE LUCAS

Abaixo, citações que indicam a dimensão da SALVAÇÃO no Evangelho de Lucas:

Lucas 1
76 - E você, menino, será chamado profeta do Altíssimo, pois irá adiante do Senhor, para lhe preparar o caminho,
77 - para dar ao seu povo o conhecimento da salvação, mediante o perdão dos seus pecados,

Lucas 2
11 - Hoje, na cidade de Davi, nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
14 - "Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor".
30 - Pois os meus olhos já viram a tua salvação,
32 - luz para revelação aos gentios e para a glória de Israel, teu povo".

Lucas 3
23 Jesus tinha cerca de trinta anos de idade quando começou seu ministério. Ele era considerado filho de José,

Lucas 10
O bom samaritano
25 - Certa ocasião, um perito na lei levantou-se para pôr Jesus à prova e lhe perguntou: "Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna?"
26 - "O que está escrito na Lei?", respondeu Jesus. "Como você a lê?"
27 - Ele respondeu: " 'Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento' e 'Ame o seu próximo como a si mesmo'".
28 - Disse Jesus: "Você respondeu corretamente. Faça isso e viverá".
29 -Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: "E quem é o meu próximo?"
30 - Em resposta, disse Jesus: "Um homem descia de Jerusalém para Jericó, quando caiu nas mãos de assaltantes. Estes lhe tiraram as roupas, espancaram-no e se foram, deixando-o quase morto.
31 - Aconteceu estar descendo pela mesma estrada um sacerdote. Quando viu o homem, passou pelo outro lado.
32 - E assim também um levita; quando chegou ao lugar e o viu, passou pelo outro lado.
33 - Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele.
34 - Aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele.
35 - No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e lhe disse: 'Cuide dele. Quando eu voltar, pagarei todas as despesas que você tiver'.
36 - "Qual destes três você acha que foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?"
37 - "Aquele que teve misericórdia dele", respondeu o perito na lei. Jesus lhe disse: "Vá e faça o mesmo".

Lucas 17
A cura de dez leprosos
11 - A caminho de Jerusalém, Jesus passou pela divisa entre Samaria e Galiléia.
12 - Ao entrar num povoado, dez leprosos dirigiram-se a ele. Ficaram a certa distância
13 - e gritaram em alta voz: "Jesus, Mestre, tem piedade de nós!"
14 - Ao vê-los, ele disse: "Vão mostrar-se aos sacerdotes". Enquanto eles iam, foram purificados.
15 - Um deles, quando viu que estava curado, voltou, louvando a Deus em alta voz.
16 - Prostrou-se aos pés de Jesus e lhe agradeceu. Este era samaritano.
17 - Jesus perguntou: "Não foram purificados todos os dez? Onde estão os outros nove?
18 - Não se achou nenhum que voltasse e desse louvor a Deus, a não ser este estrangeiro?”
19 - Então ele lhe disse: "Levante-se e vá; a sua fé o salvou".


Lucas 19
9 - Jesus lhe disse: "Hoje houve salvação nesta casa! Porque este homem também é filho de Abraão.
10 - Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido".

Lucas 24
44 - E disse-lhes: "Foi isso que eu falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos".
45 - Então lhes abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras.
46 - E lhes disse: "Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia,
47 - e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.


Por Fernando José.


Texto Complementar

O autor era um gentio convertido, possivelmente da igreja de Antioquia, onde Paulo serviu com Barnabé no começo do seu ministério (Atos 11:25, 26). O escritor juntou-se-lhe mais tarde em Troas, conforme indica o uso que faz do pronome "nós" (Atos 16:10), acompanhou-o até Filipos, e presumivelmente permaneceu lá enquanto Paulo visitava Jerusalém Quando Paulo retornou a Filipos, Lucas voltou com ele a Jerusalém (Atos 20:5 – 21:15), onde Paulo foi preso e colocado sob custódia protetora. No final da prisão de Paulo em Cesaréia, Lucas o acompanhou a Roma (Atos 27:1 – 28:15). Paulo menciona Lucas três vezes em suas epístolas, chamando-o de "médico amado" (Cl. 4:14; Fm. 24), e indicando mais tarde que foi o último amigo que permaneceu com ele na sua segunda prisão (II Tm. 4:11). A declaração de Paulo que Lucas era médico está corroborada pela linguagem que Lucas usa e pelo interesse que demonstra pelas enfermidades e a cura. Um notável exemplo dessa inclinação aparece na diferença entre a sua narrativa e a de Marcos referente à mulher que tinha uma hemorragia (Lc. 8:43; Mc. 5:26). Ele diagnostica o caso da mulher como incurável, enquanto Marcos enfatiza a incapacidade dos médicos.

(...)

Esses aspectos singulares ele os deve ter obtido de testemunhas oculares, pois ele não esteve pessoalmente presente nos acontecimentos que descreve. Na sua introdução ele declara que foi assim (Lc. 1:2) e mais adiante no Evangelho menciona pessoas das quais poderia ter obtido informações. Maria, a mãe de Jesus, pode ter fornecido o conteúdo dos dois primeiros capítulos; Maria Madalena, Joana, a esposa de Cuza (mordomo de Herodes), e outras mulheres (8:3) poderiam ter-lhe fornecido muitas reminiscências pessoais. Se Lucas viajou pela Palestina durante a prisão de Paulo em Cesaréia, poderia ter entrevistado inúmeras pessoas que se lembrariam de terem ouvido Jesus pregando e ensinando. Das pregações de Paulo e dos outros apóstolos que ele ouviu, poderia ter extraído grande parte das aplicações doutrinárias que aparecem tanto no Evangelho como no livro de Atos.

(...)

Resumo da Mensagem. A mensagem do Evangelho de Lucas pode ser resumida nas palavras de Jesus a Zaqueu, conforme Lucas as registra: "Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido" (19:10). O caráter e propósito de Jesus como Salvador é o tema principal deste livro. As atividades e os ensinamentos de Jesus em Lucas são focalizados no ato de tirar os homens dos seus pecados e de trazê-los de volta à vida e à esperança. Os milagres, as parábolas, os ensinamentos e as atitudes de Jesus exemplificam seu poder e vontade redentores. O conceito de Jesus como Filho do homem enfatiza a sua humanidade e a sua compaixão sentida por todos os homens. Ele tinha de ser a "Luz para alumiar as nações, e para glória de. . . Israel" (2:32). Lucas escreve como cristão gentio, com profunda apreciação pela revelação de Deus através do povo hebreu, revelando contudo uma grande simpatia por aqueles que não foram incluídos no primeiro convênio da Lei. Seu Evangelho é verdadeiramente universal no campo de ação.

Lucas (Comentário Bíblico Moody).



Referências bibliográficas:

Bíblia Online – Disponível em http://www.bibliaon.com/ - Acessado em 04/04/2015.
Lucas (Comentário Bíblico Moody).
Sermão: Lucas – porque podemos acreditar na Bíblia? Reverendo Augustus Nicodemus. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=CKVTWelt-TQ - Acessado em 30/03/2015.



Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material, desde que informe o autor. Não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.











Postar um comentário