segunda-feira, 13 de junho de 2011

O CRISTÃO E A ORAÇÃO, por Fernando José


               

                     
                          



                





“E ainda que tenhamos de viver em tendas como Abraão, ou na prisão como John Bunyan, autor de O Peregrino e A Peregrina, não importa, porque em qualquer lugar as janelas dos céus se abrirão derramando paz e felicidades  à nossa vida, porque em comunhão com o SENHOR, em qualquer lugar, será como estar num jardim”
  (Revista Compromisso, JUERP, 1° TRIM. 2002)


                                                           

                               MATEUS 6

  5 E, quando orardes, não sejais como os hipócritas; pois gostam de orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo   que já receberam a sua recompensa.
6 Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.
7 E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos.
8 Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.
9 Portanto, orai vós deste modo: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome;
10 venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;
11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje;
12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;
13 e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. [Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém.]



ORAÇÃO: O que é, como e quando deve ser realizada, seu modelo ideal, são tópicos a serem abordados a seguir...


O QUE É ORAR?

DE ACORDO COM A LÍNGUA PORTUGUESA ORAR É PEDIR, SUPLICAR, ROGAR. SEGUNDO O DICIONÁRIO VINE É SINÔNIMO DE INTERFERIR, MEDIAR... (heb. Pãlal)
OU AINDA, DESEJAR, PODER DESEJAR (gr. euchomai).


O MODELO IDEAL

O SENHOR JESUS DEIXOU CLARA DIFERENÇA ENTRE A ORAÇÃO PAGÃ E A DOS SEUS DISCÍPULOS, COMEÇANDO ASSIM: “E ORANDO NÃO USEIS DE VÃS REPETIÇÕES COMO OS GENTIOS...”; ESTAS PALAVRAS DO SENHOR REGISTRADAS EM MATEUS 6. 7 MOSTRA A DISPARIDADE DA CULTURA RELIGIOSA ROMANA POIS “ A ADORAÇÃO OFICIAL EM ROMA EXIGIA A REPETIÇÃO DE FÓRMULAS RELIGIOSAS MEMORIZADAS. SE O SACERDOTE COMETESSE UM ÚNICO ENGANO, TODO CULTO DEVERIA SER REPETIDO” (LAWRENCE   O.  RICHARDS: COMENTÁRIO HISTÓRICO-CULTURAL DO NOVO TESTAMENTO, P.31, CPAD/2008).
FALANDO EM MODELO IDEAL, LEMBRAMO-NOS DA ORAÇÃO MODELO: O PAI-NOSSO...



 “Pai nosso...” Deus, na Bíblia, é considerado como o Pai de Israel (Dt 32.6), Pai de todos os povos      (Ml 2.10), Pai de órfãos (SL 68.5). No N.T. temos explícito o ensino do Senhor: “todos vós sois irmãos” e “um só é o vosso Pai, o qual está nos céus” (Mt 23. 8,9). Os crentes em Cristo “receberam poder de serem feitos filhos de Deus”; Ele é o nosso Pai(Gr. pater), Ele nutre(alimenta):   “ ... o pão nosso de cada dia  dá-nos hoje.”. Ele sustenta/protege: “... livra-nos do mal;”


“... que estás nos céus...” No livro de Isaías está escrito: “... o céu é o meu trono...” (66.1). Trono é “assento elevado em que ficam os soberanos nas ocasiões solenes”. Neste trono, Deus, não está assentado apenas em algumas ocasiões importantes, mas sim, a todo o momento, pois, diz a palavra: “estás nos céus”; a todo o momento em que esta oração é feita, o presente do indicativo entra em ação: “Ele (Deus) está nos céus”... Veja: Salmos 102.19; Eclesiastes 5.2; Daniel 12.28;

“... santificado seja o teu nome.” Aqui, reconhecemos a santidade do SENHOR. Exaltamos sua pureza. Samuel 2. 2 ; Salmos 145.17 e Isaías 6.3.

“venha o teu Reino...” Um pedido: que a Monarquia, o Domínio de Deus seja transportado para o lugar em que estamos. Cristo falou sobre as regras desse reino, Paulo complementou listando algumas características: “... justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”. (Rm 14. 17).

“seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu.” Vontade é decisão, desejo, escolha... Decisão de Deus. Desejo de Deus. Escolha de Deus. A vontade de Deus é boa, agradável e perfeita e deve ser experimentada (Rm 12. 2).

“perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.” Para entendermos melhor esse trecho da oração recorreremos à parábola do credor incompassivo (Mt 18.23-35).

“... porque teu é o reino, e o poder e a glória, para sempre. Amém!” Ao término da Oração Modelo, pronunciamos, definitivamente, que de Deus é o Reino (SOBERANIA, PODER REAL, GOVERNO, DOMÍNIO), o Poder (CAPACIDADE, HABILIDADE, DESEJO, PROPÓSITO) e a glória    (HONRA, MANIFESTAÇÃO DE BRILHO/ESPLENDOR) Assim é e o será!


CONCLUINDO, as palavras de Cristo, acerca da oração são incisivas; para ele, os seus discípulos têm por obrigação ORAR (Lc 18.1) e, orando deverão levar em conta os requisitos supracitados.


Por Fernando José.



A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Blog O Inconformista.


Postar um comentário