quinta-feira, 19 de setembro de 2013

LIÇÃO 12: A RECIPROCIDADE DO AMOR CRISTÃO (Auxílio - Jovens e Adultos, 3º Trimestre de 2013/CPAD - por Fernando José).


Por Fernando José.

Chegamos ao capítulo 4, vv. 10-13 de Filipenses que é considerada como uma “carta de amor”. Nessa carta o apóstolo fala, também, da gratidão com os destinatários; essa gratidão envolve a contribuição daquela igreja para com o apóstolo. 
Os filipenses sempre estiveram presentes na vida do apóstolo: 
"E bem sabeis também, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente;" (4:15). Paulo deixa claro, na carta, que os destinatários sempre pensavam nele, lembravam-se dele. E, em surgindo uma oportunidade, eram usados por Deus para suprir a necessidade do apóstolo: “... pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade." (4:10). Os filipenses fixavam a mente no apóstolo, percebiam suas necessidades, a recordação que tinham se materializava no cuidado para com o apóstolo Paulo! Esse proceder sempre (não sei em que proporção) acompanhou os verdadeiros crentes em Cristo Jesus. Vejamos trechos de um documento do 1° século da Era Cristã, chamado Didaquê (A Instrução dos Doze Apóstolos):
"Se vier alguém até você e ensinar tudo o que foi dito anteriormente, deve ser acolhido." (CAPÍTULO XI, seção 1).
“Todo verdadeiro profeta que quer estabelecer-se entre vós é digno de seu alimento. Do mesmo modo, também o verdadeiro mestre, como o operário, é digno de seu alimento. Por isso, tomarás as primícias de todos os produtos da vindima e da eira, dos bois e das ovelhas e darás aos profetas, pois estes são os vossos grandes sacerdotes.” (CAPÍTULO XIII, seção 1-3).
Porém há o outro extremo: "Se não quiser conformar-se com isto, é um que quer fazer negócios com o cristianismo (trata-se de um comerciante de Cristo). Acautelai-vos contra tal gente." (Capítulo XII, seção 5).
Que venhamos agir com cuidado para que não cometamos injustiças! Honra a quem honra! Ponhamos à prova os mercenários, lobos devoradores que, ultimamente têm até “colocado os demônios” a sua disponibilidade para obter a gordura (bens, dinheiro, etc.) das ovelhas!

"... porque já aprendi a contentar-me com o que tenho." (Filipenses 4:11) - O ministro, assim como qualquer outro crente, deve, em Cristo ‘satisfeito estar’, é preciso aprender a ter satisfação em nós mesmos...

"Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade." (Filipenses 4:12) - Sempre foi dito por aí a fora que a vida é uma escola, pois é o apóstolo conheceu ‘um pouco’ (por assim dizer) dessa façanha, ele disse: ‘SEI’. Quem sabe vê e vive conhecendo, percebendo, experimentando... Em cima, em baixo, cheio, vazio, saciado, com fome. Ele aprendeu o segredo! Pelo uso, pela prática, pelo hábito. Contente, quando a medida excedia, contente quando era humilhado. Satisfeito quando estava alimentado e engordado, satisfeito quando estava faminto, em necessidade. Verdadeiramente um segredo aprendido!

"Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece." (Filipenses 4:13) – Sobre esse ponto temos algumas considerações a fazer:
* Quando estamos firmes em Cristo a probabilidade de não acertar é muito menor. Ele nos dá forças para cumprir, fazer, corresponder às expectativas, não trair a confiança. Com Ele, o fazer funcionar é real, e, em seu nome, suceder conforme o esperado. Quando as chuvas (com seus temporais) e as agitações vêm com o objetivo de arrasar tudo e todos, poderão até afligir, agoniar, causar consternação, mas (no nome Dele) não nos destruirá, não trará devastação ou ruína... Estaremos firmes nas promessas em amor, com alegria, andando iluminados pela Sua luz!
*Nas lutas, nas guerras, nas oposições de ideias, sentimentos e interesses, nas manifestações agressivas, nas disputas ardorosas, nos embates e contradições, como um paradoxo, em Jesus, temos ‘eirene’(sensação de descanso, satisfação, sossego, serenidade, relações harmoniosas, amizade), pois temos um “Deus de paz” (Romanos 15.33).

Enfim, Nós Podemos... “Posso” (gr. ischuõ). Estou/sou capacitado, tenho permissão, possuo legalização e habilitação para:
- Executar a tarefa nesse importante negócio (Atos 6.3), nesse GRANDE EMPREENDIMENTO que é A Obra de Deus,
- Desempenhar funções,
- Ser feliz em meios às duras experiências, tristezas e perseguições...

Por Fernando José.

Referências:
Dicionário VINE – W. E. Vine, Merril F. Unger, William White Jr. (CPAD, 2006).
Novo Testamento Interlinear - GREGO-PORTUGUÊS (SBB - Sociedade Bíblica do Brasil, 2004).
Didaquê, A Instrução dos Doze Apóstolos.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material, desde que informe o autor. Não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais





Postar um comentário