quinta-feira, 4 de maio de 2017

A PROSPERIDADE: CONTEXTO VETEROTESTAMENTÁRIO E NEOTESTAMENTÁRIO





  1. Sobre a prosperidade no A.T.

Guarda-te que não te esqueças do SENHOR teu Deus, deixando de guardar os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus estatutos que hoje te ordeno; Para não suceder que, havendo tu comido e estando farto, e havendo edificado boas casas, e habitando-as, E se tiverem aumentado os teus gados e os teus rebanhos, e se acrescentar a prata e o ouro, e se multiplicar tudo quanto tens, Se eleve o teu coração e te esqueças do SENHOR teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão; Que te guiou por aquele grande e terrível deserto de serpentes ardentes, e de escorpiões, e de terra seca, em que não havia água; e tirou água para ti da rocha pederneira; Que no deserto te sustentou com maná, que teus pais não conheceram; para te humilhar, e para te provar, para no fim te fazer bem; E digas no teu coração: A minha força, e a fortaleza da minha mão, me adquiriu este poder. Antes te lembrarás do SENHOR teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza; para confirmar a sua aliança, que jurou a teus pais, como se vê neste dia.“ [1]


1.1- GUARDAR, VIGIAR...

“Guarda-te que não te esqueças do SENHOR teu Deus...” (v.11). Diante dos variados bens, móveis e imóveis, do dinheiro que o cristão tem ou poderá vir a possuir/adquirir, será preciso que o mesmo arranje meios de se defender, adquirindo proteção, se preservando, tomando conta do coração, colocando-o no lugar onde deve estar - em Deus! Observará de forma investigativa seu estado e situação, verificará a sua vida com a finalidade de dirigir, ou melhor, deixar-se ser dirigido por Deus. Fará a revista do seu cotidiano, procurando cada parte de um todo, tendo em mente que temos a incumbência de buscar a direção para o bom encaminhamento da nossa vida pessoal e, consequentemente, nas relações interpessoais:


Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. [2]


1.2- CUIDADO COM A ELEVAÇÃO

“Se eleve o teu coração e te esqueças do SENHOR teu Deus...” (v.14). Não devemos, diante do que o Senhor Deus nos concede, elevar nosso coração, divinizando-nos, edificando um altar de nós mesmos! Em vez de levantarmos muros para fortalecer nossas jactâncias e vanglórias, levantemos um para esconder/proteger nossas almas, firmados na Rocha:

“... e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.” [3]


1.3- DEUS HUMILHA?

“para te humilhar, e para te provar, para no fim te fazer bem;” (v.16). Com certeza Deus humilha, i.e., subjuga seu povo com sua mão forte - e com amor - não com o intuito de afundar ou abater, mas eliminar do meio do seu povo o orgulho e a auto exaltação. Ele humilha para exaltar...


“O SENHOR é o que tira a vida e a dá; faz descer à sepultura e faz tornar a subir dela. O SENHOR empobrece e enriquece; abaixa e também exalta. Levanta o pobre do pó, e desde o monturo exalta o necessitado, para fazê-lo assentar entre os príncipes, para fazê-lo herdar o trono de glória; “ [4]


1.4- DEUS TAMBÉM PROVA

Deus também prova... Faz passar por um processo de aprimoramento para que o resultado desse refinamento seja a pureza, um conteúdo sem mistura. Enfim, Ele incorpora, no refinado, as coisas/bênçãos de Deus!

1.5- LEMBRANÇAS

O cristão, depois de adquirir as muitas bênçãos divinas através do seu trabalho, indo além da intitulada e proclamada Graça Comum, recordará sempre que a sua FORÇA [capacidade, influência, riquezas, propriedades] emana de Deus. Essa faculdade e habilidade que o cristão tem “vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.” [5]. Sua produção, suas proezas provém do Dono da Força. Tendo isso em mente, obterá o efeito desejado, bênçãos copiosas, fertilidade, abundância substanciosa.




  1. Sobre a prosperidade no N.T.  


2.1- ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

De antemão, ter em mente 3 considerações:

1. A prosperidade no N.T. existe, é real, mas, não é a base de todas as coisas, também, não exprime o fato de que o ser humano exista. Sua existência vem do Dono do Universo, daquele que fez todas as coisas, portanto:

Deus... fez o mundo e tudo que nele há [6]

...pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas; E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, [7].


Devemos então recorrer àquele que tem a prosperidade em suas mãos, e não à prosperidade que emana delas. Vivamos na verdadeira prosperidade, a não ser que queiramos viver na fantasia.

2. A prosperidade diferencia e não nos diferencia dos nossos semelhantes. Não nos diferencia porque ela não deve ser motivo para adquirirmos destaques, cargos, funções primeiros lugares, exclusividade, pois, tudo isso, seria obtido pelo ter e não pelo ser. Diferencia-nos porque a verdadeira prosperidade traria, anexa em si, ideias, ideais, conceitos, realizações, influências e referências. Sendo assim, essa particularidade existente na vida do próspero se expandiria para a vida dos demais (coletivo), influenciando-os, acompanhando-os e resgatando-os... Em resumo, esse potencial e diferencial que a prosperidade traz para a vida do ser humano teria como uma das metas/objetivos principais solidariedade e provimento aos necessitados!

3. A afirmação: “Eu sou próspero” nas nossas vidas declara ou nega a nossa fé? Essa prosperidade é tudo o que somos? Existimos por causa dela? Somos identificados por nossa vida cristã ou pelo que temos?


2.2- QUE TIPO DE RICO e/ou PRÓSPERO SOMOS?

A. Como José:

E o SENHOR estava com José, e foi homem próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio. Vendo, pois, o seu senhor que o SENHOR estava com ele, e tudo o que fazia o SENHOR prosperava em sua mão, José achou graça em seus olhos, e servia-o; e ele o pôs sobre a sua casa, e entregou na sua mão tudo o que tinha. E aconteceu que, desde que o pusera sobre a sua casa e sobre tudo o que tinha, o SENHOR abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do SENHOR foi sobre tudo o que tinha, na casa e no campo. [8]


B. Como Rico Insensato:

E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; E ele arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; E direi a minha alma: Alma tem em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado para quem será? [9]  

Vamos escolher? Vamos para trás ou para frente? Seguiremos as teses bíblicas sobre a prosperidade ou iremos após os profetas e apóstolos da prosperidade? Façamos nossa decisão!


PROSPERIDADE E HUMILDADE

O próspero é humilde porque sabe que saiu do pó da terra: és pó e em pó te tornarás. [10]. Somos “filhos da terra” (Lt. húmus). O próspero não se atira, nem se arremessa sobre os demais com o intuito de ser superior! Relaciona-se bem, traz em si moderação, não “vive se aparecendo”. Tem sinceridade, afeto, franqueza. Respeita e é respeitado - aqueles que não o respeitam, certamente e em breve, descerão ao Governador do Egito para comprar mantimentos em sua mão na época em que mais precisarão. O próspero não é extravagante, não é adepto de excessos.

Por Fernando José.


Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material, desde que informe o autor. Não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.



NOTAS:

[1] Deuteronômio 8:11-18
[2] Lucas 10:27
[3] Colossenses 3:3
[4] 1 Samuel 2:6-8
[5] Tiago 1:17
[6] Atos 17:24
[7] Atos 17:25-26
[8] Gênesis 39:2-5
[9] Lucas 12:16-20
[10] Gênesis 3:19 

Postar um comentário