terça-feira, 1 de novembro de 2016

Resenha: A Supremacia de Cristo





FERNANDO, Ajith. A Supremacia de Cristo: Uma apologética ao alcance de todos (Título original em inglês: The Supremacy of Christ) – Tradução: Gordon Chown; São Paulo: Shedd Publicações, 2002. 256 pp.



Ajith mostra, através desse título, o cenário da era presente: novos desafios que exigem uma atitude apologética e postura teológica adequada, pluralismo – filosofia dominante, expansão das religiões orientais com visão missionária, o pensamento da Nova Era entronizando em esferas diferentes do Ocidente, falta de compromisso com a verdade no meio evangélico. Somam-se a isto os conflitos raciais, classistas, éticos e religiosos!
Em meio ao caos, adquirir ‘um pouco de apologética’ é preciso, para que, de forma teológica, possamos enfrentar os desafios dos nossos dias! 
Segundo Ajith, ele mesmo procura demonstrar a Supremacia de Cristo, através desse livro, tendo como base o evangelho de Cristo. O autor procura demonstrar que a pessoa de Cristo, em sua preexistência, existência, feitos, afirmações que fez e o que os apóstolos afirmaram, nos deixa evidente que, de fato, Ele é Supremo. Fernando faz uma comparação entre as afirmações de Cristo e outras ideologias, que ele tem como concorrentes.
Apesar do título do livro nos levar à mentalidade primária de que se trata apenas de um trabalho na área de Cristologia, o autor vai além expondo que na obra encontraremos exegese bíblica, crítica do NT, teologia, apologética, biografia, inspiração e desafio. Enfim, a presente obra visa a compreensão da apologética e da obra de Cristo!
 Há um entrave nas religiões: cada religião é absoluta para seus seguidores.  Há no Ocidente evidências relacionadas ao ceticismo a respeito da possibilidade de se ser a verdade, onde há a proclamação de que a verdade absoluta não existe. Pregam que há a impossibilidade de dizer que qualquer sistema individual de pensamento é a verdade absoluta. Logo, A Supremacia de Cristo vem com o objetivo de convencer até mesmo aqueles que não aceitam que a Bíblia é a autoridade infalível da fé.
Fernando Ajith mostra ainda o embate entre o pluralismo e a revelação. Sendo que o primeiro traz uma ‘nova revelação’. Para o autor, o cristianismo entende a Revelação como o desvendar de Deus para a humanidade – pela natureza, pela consciência, pela Escritura – tendo o ápice na Supremacia de Cristo. Já os escritos das várias religiões que compõem o pluralismo falam sobre descobertas diversas e empíricas do único Deus, sendo que a verdade absoluta do movimento consiste em expressões diferentes de Deus, e cada expressão com várias faces. Ajith enfatiza que o absoluto é uma pessoa, Jesus Cristo. Para o autor, conhecer pessoalmente o absoluto é desfrutar da salvação, da amizade, do senhorio... Ajith leva-nos a entender um pouco sobre a incomparabilidade de Cristo, lançando por terra alguns maus entendimentos sobre o cristianismo que trazem horror às outras religiões! Fernando demonstra que, no cristianismo, os ensinos de Cristo estão vinculados às declarações a respeito de Sua pessoa. Através do exame dos ditos de Jesus podemos ver que Ele é o Senhor que reina absoluta e divinamente - chegamos a essa conclusão quando analisamos o modo como ele vivia e as coisas que ele fazia.
Ajith deixa evidente que a vida de Cristo, que não se compara a nenhuma outra, experimentou frustrações e dores da raça humana, mostrando a base para sua humanidade. Enquanto sua vivência mostra a Sua divindade. Na contextualização bíblica, os evangelhos confirmam as obras, a vida imaculada e os milagres de Cristo, tendo o ápice em Sua ressurreição! Em resumo: a Sua vida autentica Suas palavras. 
De forma objetiva, os evangelhos evidenciam que Ele dizia ser igual a Deus, de forma que Seu ensinamento atraente somado às obras autenticaram Suas afirmações.
O autor apresenta argumentos adequados com o propósito de levar-nos diante da realidade presente em que há pessoas que dizem que “todas as religiões levam a Deus”, confirmando que o cristianismo tem seu alicerce na pessoa e obra de Jesus Cristo. O cristianismo leva em conta que a salvação é baseada nas obras que Cristo fez e expõe que somos criados por Deus, sendo que este é transcendente. 
Enfim, com uma série de argumentos, Fernando Ajith indo de encontro às ideologias concorrentes, apresenta uma obra de cunho apologético que legitima a crença no meio cristão.


Por Fernando José. 




A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Blog O Inconformista.












Postar um comentário