quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Aos Filipenses: Porque vivemos sem paz?






“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.” 
(Filipenses 4:6-7)



Os passos do cristão não devem ser impulsionados pela ANSIEDADE. Deve o crente prosseguir a vida sem o tal “grande desejo (ardente)”.

Ansiedade é uma emoção tamanha que, diante da ardência do desejo, pode alterar o comportamento trivial do corpo humano, trazendo pressão sobre o aparelho cardíaco assim como na parte respiratória.

A ordem bíblica é: “Não ande ansioso (a), nem pelo que existe, nem pelo que possa existir, nem pelo que faz sentido ou, por coisas sem sentido”. Essa “coisa alguma” pode ser um acontecimento, uma circunstância, uma ocasião... Qualquer assunto, obra, sentimentos...

Por outro lado, a Carta de Paulo aos Filipenses nos mostra que, quando nossos pedidos são “conhecidos diante de Deus”, suplicamos e colocamo-nos numa condição inferior Àquele a quem a petição é feita. Nesse momento nos tornamos, mais do que em qualquer outro momento: filhos, pecadores, pedintes, súditos, procuradores, requerentes, necessitados...
Nas várias situações da vida, quando não se tem a quem recorrer, quando há menosprezo, indiferença, temos um resultado: FALTA DE PAZ. Essa ausência de paz traz consigo outros fatores problemáticos.

Vivendo em oração e súplicas obteremos paz. Teremos, da parte de Deus:

HARMONIA;
NEUTRALIDADE DIANTE DOS INCÔMODOS;
SEGURANÇA (v.7-”... guardará os vossos corações...”);
DESCANSO;
SATISFAÇÃO;
CUMPRIMENTO DAS PROMESSAS, E,
FINAL EFICAZ E FELIZ.
                                                                                           

Por Fernando José.





Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material, desde que informe o autor. Não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Postar um comentário